quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Eco

No vazio é onde me encontro,
minha voz em forma de eco,
a única voz que nao me abandona.

Bem que o eco poderia ser a fala de alguém
no fundo de uma caverna,
floresta, uma sala vazia
ou no fundo do meu coração.
Eu quero preencher o meu coração
nem que seja com a voz de um eco perdido
de tão vazio que ele está.

As vezes fico em um quarto deserto
só para conversar comigo mesma,
com meu eco
de tão solitária que estou.

Porque você me deixou assim?
Louca, sem ninguém em quem confiar e conversar
a não ser em meu som que vem de algo vazio...

Se não tenho alguém,
tenho esse som.
E se não tenho ele,
enlouqueço, pois é
o único que responde
o que quero ouvir
e não o que todos dizem...

Que tal preencher estes epaços vazios,
principalmente o mais profundo
que um dia você já preencheu?
(Giuly Biancato-11 anos)
minha voz em forma de eco,
a única voz que nao me abandona.

Bem que o eco poderia ser a fala de alguém
no fundo de uma caverna,
floresta, uma sala vazia
ou no fundo do meu coração.
Eu quero preencher o meu coração
nem que seja com a voz de um eco perdido
de tão vazio que ele está.

As vezes fico em um quarto deserto
só para conversar comigo mesma,
com meu eco
de tão solitária que estou.

Porque você me deixou assim?
Louca, sem ninguém em quem confiar e conversar
a não ser em meu som que vem de algo vazio...

Se não tenho alguém,
tenho esse som.
E se não tenho ele,
enlouqueço, pois é
o único que responde
o que quero ouvir
e não o que todos dizem...

Que tal preencher estes epaços vazios,
principalmente o mais profundo
que um dia você já preencheu?

(Giuly Biancato-11 anos)

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Um Aniversário



Um aniversário:
uma nova vida,
um ano novo,
uma nova bebida.

Um novo começo,
um novo amigo,
novos pensamentos
que andam comigo.

Cada vez mais velho
e com mais experiências.
Amo essa vida nova,
mas tem suas consequências.

(Giuly Biancato-11 anos) Dedicado a Juliana Biancato